Inês Petiz. A vida é demasiado curta para fazer uma coisa só.

Em criança queria ser atriz porque assim não teria de me contentar com apenas uma profissão, poderia experimentar várias à medida que fosse interpretando diferentes papéis. Conforme fui crescendo, fui percebendo que não gostava de representar. Não queria fingir, mas também não me queria conformar com escolher uma só profissão, porque seria abdicar de todas as outras.

 

Desde sempre que sou apaixonada por arte, em todas as suas formas, as performativas para assistir e as plásticas para intervir. Do mesmo modo,  aprecio o design pela mentalidade com que nos faz encarar cada desafio, sempre com o intuito de tornar a vida das pessoas melhor de alguma forma.

 

Na escrita, que para mim também é uma arte, encontro o meio em que estou mais à vontade. Deixo-me envolver pelos projetos das pessoas sobre quem escrevo e partilho o meu encantamento com os leitores.

 

Mais do que me apaixonar por uma área em geral, apaixono-me por cada projeto em que me envolvo em particular, e é isso que me faz dar tudo por tudo em cada um.

 

Saibam mais sobre o seu percurso no CV.